segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

BBB 12: O COTIDIANO QUE CONSOLA MILHÕES DE ESPECTADORES!


Quanto ao BBB agora na sua 12ª edição, quanta surpresa na escolha dos participantes!
MENTIRA MINHA!



A cada edição não vejo surpresa nenhuma na escolha dos seletos participantes, e quero registrar que não assisto o referido programa, não tendo nada contra quem fica horas acompanhando os “diálogos educativos” daquele povo maravilhoso.
E ainda cabe ressaltar, todos sabemos os picos da história da vida real: brigas, flertes, segredos pessoais revelados em cadeia nacional, intrigas, fofocas,  profundas amizades que se consolidam (será!), estratégias de jogo na maioria das vezes nada honestas e muita gente virando celebridade. É purpurina que não acaba mais!
E o mais engraçado, a chamada: DIVERTA-SE, DÊ UMA ESPIADINHA! Triste não é? Eu creio: primeiro, dar uma espiadinha na vida alheia, segunda se divertir com isso, quanta cultura.
Que fique bem claro que não estou registrando aqui questionamentos institucionais sobre programa, até porque o formato é esse mesmo, assemelhar as situações da nossa vida cotidiana e fazer-nos ficar “horas a fio dando uma espiadinha” e mais, conecta quem lhe achar conveniente. Apenas trago minha reflexão pessoal sobre tal fato uma vez que como educador sinto o quanto temos que mendigar para que a mídia em todas as esferas nos oportunize discutir educação, e como dizia minha avó, querida velhinha: não se melhora aquilo que não se dialoga.
Quem já viu, exceto nos canais educativos, redes televisivas de grande porte abrirem espaços para estes debates, eu vivo esse registro que faço: os meios de comunicação não põe em xeque “debates sobre a Educação Básica, o que vemos na maioria das vezes são matérias rápidas e “bem intencionais” que apenas cumprem alguns protocolos.
Triste, no mínimo triste, queremos melhorar o ensino e a aprendizagem do país, dos estados e dos municípios sem sussurrar educação, um exemplo: quantos programas locais e regionais você educador que lê este recorte tem lotado por aí, quantos debates foram promovidos sobre a realidade e as mudanças educacionais do seu município, do seu estado, do país (e nem me atrevi a postar o ponto de interrogação para não deixar você em cólicas).
Nem precisa me responder!