domingo, 28 de outubro de 2012

Aprendizagens com Glória Kalil!


Fantástica profissional, admirada pela capacidade de postar reflexões no campo da etiqueta e do comportamento dedica-se à consultoria de estilo e negócios ligados ao campo da moda. Faz palestras e projetos especiais, como vídeos, planos de marketing para lojas de varejo e assessorias para indústrias e organizações institucionais como o SENAC, colabora também com matérias de moda para a imprensa escrita, televisão e outras mídias. Em suma, Glória Kalil é referência quando o assunto é elegância, efetivamente a do comportamento, revela o quanto à cortesia e a educação nas relações interpessoais desenham nosso repertório pessoal e profissional e ainda perfilam nossa identidade e os valores que nos constituem.

FONTE DE SUPORTE: Wikipédia. 

 Aprendizagens com Glória Kalil!

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

EDUCAÇÃO MUNICIPAL: DESAFIOS E PERSPECTIVAS...


O Movimento constituído chamado “Educação Para Todos” tem trazido a baila grandes desafios para todas as esferas educacionais uma vez que nos convida a perfilarmos de maneira ainda mais efetiva uma atividade educativa que atenda a especificidade de cada aluno assegurando-lhe o seu legítimo lugar de sujeito enquanto identidade da aprendizagem. Neste sentido os Sistemas Municipais de Ensino (SME) têm buscado, atendendo as diretrizes legais para o Ensino Fundamental, observar atentamente todas as ferramentas externas validadas para cercar o processo pedagógico no que tange a ideia de mensurar, se isto é possível, o fenômeno do ensinar e do aprender. As avaliações externas, os programas voltados ao Letramento e as Matrizes de Aquisição das Múltiplas Linguagens são sinalizadores do quanto as Secretarias Municipais de Educação de todo o país deverão estar muito bem articuladas tecnicamente para atender a expectativa nacional do famoso processo da educação de qualidade, o que deve garantir que o aluno conclua o Ensino Fundamental dominando todos os conhecimentos pertinentes a esta modalidade de ensino, o que sabemos que tem se constituído num grande desafio junto as Escolas Fundamentais, que além de reverem os percursos metodológicos, deverão revisitar todo o próprio currículo escolar, para assim então problematizarem os conteúdos de aprendizagem propostos. A perspectiva que se eleva a categoria de reflexão sustenta a matriz possível de se constituir políticas públicas municipais que valorizem a figura docente, ofertem suporte pedagógico para esta estabelecida transição educativa, regulamentem novas possibilidades para o currículo escolar e ainda auxiliem a gestão educacional na condução deste fantástico, porém complexo fenômeno da aprendizagem.

( Uma boa literatura sobre o assunto em xeque)

Apenas reflexões de um professor da Rede Municipal de Ensino!

domingo, 14 de outubro de 2012

UM DIA PARA HOMENGEAR OS PROFESSORES! INTERESSANTE...



Sempre fui uma pessoa desconfiada desta pedagogia do “DIA EM HOMENAGEM” uma vez que esta estratégia social nos remete a ideia de que é pertinente celebrar a figura de dada categoria apenas naquela ocasião. Em nosso caso, os professores, a impressão que tenho é que somos lembrados não pelos anos letivos que vivemos nas salas de aula buscando ajudar nossos alunos a construírem uma atitude crítica em ler o mundo e suas manifestações o que nos exige além de sólida formação acadêmica alguns (muitos) princípios humanos fundamentais: coragem, competência, responsabilidade, amorosidade, rigorosidade metodológica, ética, postura investigativa, comprometimento social, entre tantos outros. Reduzir-nos há “UM DIA ESPECIAL” é também fragilizar a grandeza da responsabilidade que impera em nossas costas quando o assunto é preparar para a vida. Há quem celebre com grande felicidade a data, e não se assustem, em também o faço, mas o que torno registro é justamente o reducionismo a que nossa profissão se configura diante de tantas outras que só são paridas graças à figura do professor. 
UMA COLEGA DESTE BRASIL E SUA MANIFESTAÇÃO:


MAS QUE SEJA: Colegas, muita prosperidade, neste dia tão especial que nos faz pensar sobre nossa condição no cenário profissional no que tange a NOSSA VALORIZAÇÃO!

REALIZAR-SE COM O OFÍCIO DE SER PROFESSOR NÃO NOS IMPOSSIBILITA DE ENXERGAR O CENÁRIO REAL DE NOSSA PROFISSÃO!

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

A ARTE DE SER MESTRE DE SI MESMO...PENSANDO POR SUN TZU!



“Quando vigiares, vigia atentamente: não durmas. Quando avançares, avança resolutamente, trilhando com segurança caminhos que só tu conheces.”
(SUN TZU)


A arte de sermos e estarmos conscientes de nossa condição de aprendentes nos faz pensar efetivamente, então, na arte de sermos mestres de nós mesmos, assumindo que não podemos adiar decisões necessárias que nos colocam na posição válida de escolhas, escolhas estas que vão nos fazendo, isso, vão nos fazendo mesmo, pois somos resultado de nossas escolhas, lembremo-nos, nesta altura desta reflexão da máxima: “ O Universo não se apiedada, apenas devolve e transfere o resultado de nossas posições diante do mundo.”  O fato para efeito é que em nossas batalhas para aprender a reaprender temos que fazer pontes, mobilizar contornos nas relações pessoais e profissionais, evitar conflitos desnecessários,  valer-se do diálogo diante da deselegância do comportamento do outro, fazer valer a quietude e o recolhimento para avaliação de nossos trajetos analisando os cenários para assim escolher o momento mais sábio e estratégico para agir, e ainda, talvez, sermos indiferentes face aos ataques dos hipócritas, enfim, tudo é salutar quando o assunto em pauta é sermos mestres de nós mesmos, e inevitavelmente garantirmos novos espaços para ressignificarmos nossas concepções.


segunda-feira, 1 de outubro de 2012

QUEM BATEU NA SUA PORTA?





A pergunta: “Quem bateu na sua porta?” nos remete uma infinidade de imaginários sobre o que podemos encontrar atrás desta porta ao abri-la, ou ainda que surpresas serão reveladas, tudo muito excitante, todavia imaginemos que esta porta é uma mudança radical em nosso ciclo de vida, um convite para rompermos com vestuários sociais antigos, possibilidade de revermos nossos conceitos sobre o mundo, as pessoas, as coisas que nos cercam, as relações que estabelecemos e com quem estabelecemos. Interessante esta condução reflexiva! 


Creio que sim, pois caberia nos perguntarmos então, o quê nos aguarda do outro lado da porta, o quanto de nós sabemos e o quanto de nós ainda temos que saber para vencermos tantas crendices que nos fazem não abrirmos algumas portas: medo de errar, preconceitos arcaicos, apego a concepções antigas, estreiteza de visão de mundo, incapacidade de acolhimento, falta de humildade, fragilidade em entender o outro, enfim um verdadeiro cardápio repleto de opções para nos fazer pensar sobre o toc, toc na porta. O importante é entendermos que não basta abrir portas é preciso atravessá-las assumindo com constância tudo aquilo que com a revelação de outro ciclo virá e assim vamos nos reinventando diante dos golpes rasteiros da inveja e de nossa vocação para sermos sujeitos do inacabamento, cheios de portas: umas para serem abertas, outras talvez para serem fechadas, e disso nós temos que saber!