quinta-feira, 29 de março de 2012

INVEJA: COMBUSTÍVEL DOS INCAPAZES!



Houvi em certa ocasião, enquanto estava sentado a sombra de uma bergamoteira lendo um folheto, uma frase dita por uma senhora com uns quarenta e tantos anos que consolava a amiga repetindo incansavelmente a seguinte frase: "A INVEJA É O COMBUSTÍVEL DOS INCAPAZES!"
Imaginem só:  eu como qualquer ser humano mais que depressa fiquei atento para ver o que iria acontecer mediante ao diálogo. E não é que vivi uma verdadeira aula com a prosa que acompanhei, DIZIA A SENHORA:

"A INVEJA QUE UNS E OUTROS TÊM DA GENTE É PORQUE ESSAS PESSOAS ALÉM DE POBRES DE ESPÍRITO NÃO SUPORTAM VER O QUANTO SOMOS BONS NAQUILO QUE ELAS NÃO SABEM FAZER DIREITO. E PIOR, ALÉM DE NÃO FAZEREM NADA PARA MUDAR AQUILO QUE VIVEM CRITICANDO FICAM DE COCHICHOS EM PORTAS ALHEIAS SOLTANDO A SEMENTE DA DISCÓRDIA.
NÃO FIQUE TRISTE AMIGA, POIS O QUE NOS CABE É REZAR PARA QUE EVOLUAM E DEIXEM DE INVEJAR O SEMELHANTE."


E eu, meus queridos me coloquei a pensar sobre o assunto e creditei: NÃO É QUE ESSA SENHORA TEM TODA A RAZÃO, E QUE DEUS ABENÇOE ESTAS SENHORAS!

domingo, 25 de março de 2012

QUE AS ODETES PASSEM BEM LONGE DE MIM!!!!



Vale Tudo é uma telenovela brasileira exibida originalmente de16 de maio de 1988 a 6 de janeiro de 1989, escrita por Gilberto Braga, Aguinaldo Silva e Leonor Bassères e dirigida por Dênis Carvalho e Ricardo Waddington, com direção geral do primeiro. Contou com 204 capítulos.  Regina Duarte, Antônio Fagundes, Beatriz Segall, Glória Pires, Reginaldo Faria, Cássio Gabus Mendes, Lídia Brondi, Cássia Kiss, Carlos Alberto Riccelli e Renata Sorrah interpretam os papéis principais, numa trama abordou, segundo seu autor Gilberto Braga, "até que ponto valia ser honesto no Brasil" na época de sua exibição.
FONTE DE SUPORTE: WIKIPÉDIA

PONDERANDO COM A PERSONAGEM DE REGINA DUARTE, A CORAJOSA E DESTEMIDA RAQUEL:
Uma mulher guerreira que se reinventa a cada ataque que se levanta contra sua bravia luta para vencer honestamente como uma pessoa de bem e com princípios humanos bem definidos. Até que se depara com um grande desafio firmar pé e garantir seu espaço profissional frente o poder de Odete Roitman (Beatriz Segall), a personagem é o próprio inferno, usa de todos os meios para conquistar o que quer, e para isso se vale do famoso “jeitinho brasileiro”, tudo regado a muito dinheiro e conchavos.

PENSANDO ENTÃO:
A grande pergunta não deveria ser: Quem matou Odete Roitman, mas quantas “Odetes” andam por aí atacando outras tantas mulheres tão guerreiras como a personagem Raquel.
Logo rogo: QUE AS ODETES PASSEM BEM LONGE DE MIM!!!!

segunda-feira, 19 de março de 2012

VOCÊ JÁ DEU O FAMOSO PULO DO GATO!

Você conhece o conto do pulo do gato? Certo dia a onça pediu que o gato lhe ensinasse seus pulos. Quando o gato ensinou todos os pulos à onça então os usou para capturá-lo e devorá-lo. Foi aí que o gato deu um pulo que deixou a onça a ver navios. Claro que o gato não ensinou todos os truques à sua “amiga” onça, ele ainda contava com o “ pulo secreto”, com uma técnica de pular que havia reservado para momentos onde houvesse a necessidade de ser mais esperto do que aquela que parecia ser generosa, mas que na verdade estava carregada de maldade, inveja, hipocrisia e egoísmo.
Você já operou o pulo do gato? Creio que sim, sabe àquelas horas e momentos onde tudo parece nos esmagar, máscaras caem, rostos se desnudam carregados de inveja, tudo parece estar conspirando contra aquilo que você planejou e quer que prospere, pois bem: é à hora do PULO DO GATO!

BONS PULOS PARA TODOS NÓS!

domingo, 18 de março de 2012

APRENDENDO COM A FANTÁSTICA LYA!


“Não lembro em que momento percebi que viver deveria ser uma permanente reinvenção de nós mesmos — para não morrermos soterrados na poeira da banalidade embora pareça que ainda estamos vivos(...). 
Mas compreendi, num lampejo: então é isso, então é assim. Apesar dos medos, convém não ser demais fútil nem demais acomodada. Algumas vezes é preciso pegar o touro pelos chifres, mergulhar para depois ver o que acontece: porque a vida não tem de ser sorvida como uma taça que se esvazia, mas como o jarro que se renova a cada gole bebido (...). 
Hora de tirar os disfarces, aposentar as máscaras e reavaliar: reavaliar-se. Pensar pede audácia, pois refletir é transgredir a ordem do superficial que nos pressiona tanto(...).

E para registrar a importância do que firma Lya escreve que é preciso sonhar:

“(...) porque se desistimos disso apaga-se a última claridade e nada mais valerá a pena. Escapar, na liberdade do pensamento, desse espírito de manada que trabalha obstinadamente para nos enquadrar, seja lá no que for. 
E que o mínimo que a gente faça seja, a cada momento, o melhor que afinal se conseguiu fazer.

Lya Luft
Obs.: Fragmentos de seu texto Pensar é transgredir.

URUBUS E SABIÁS: O DUELO!



                 As pessoas, na atualidade, como seus antepassados, construíram um hábito curioso de assemelhar a figura humana a animais, por exemplo: “dizem eles, lento como uma tartaruga, ou, astuto feito uma raposa” e assim outros que não me cabe citar. Mas o interessante é a reflexão que podemos fazer a partir de duas figuras da fauna: os sabiás e os urubus. De um lado o nobre sabiá, pássaro imponente, que canta e encanta com sua forma de “melodiar”, já na outra extremidade, o urubu, figura vista com olhos de rejeição, identidade pesada que tem a missão de profetizar o que desagrada. Paremos por um instante e nos permitamos perguntar: Quem disse que o urubu, ave feia, de cores fechadas não pode ser um anunciador do que é bom, de coisas que eclodam em felicidade? E, por outro lado porque que este sabiá lindo, garboso não pode ser uma ave pobre em sua visão de mundo, bela por fora e oca por dentro?
                 Lembremo-nos: “Nem tudo o que reluz é ouro” cuidemo-nos assim das pessoas que exalam uma “boniteza” apenas externa, não deixemos nosso poder visual nos enganar, a estética não é referência de bom caráter, se “comprarmos” as pessoas pela embalagem corremos o risco de levar para dentro de nosso interior o que não é bom, agora, se olhando com amplitude, enxergamos a condição humana de nosso semelhante podemos não ter a mais fina embalagem em nossas mãos, porém o mais raro conteúdo.
APENAS PONDERAÇÕES!



quinta-feira, 15 de março de 2012

A COBRA E O VAGA-LUME: CUIDADO COM AS COBRAS!

A COBRA E O VAGA-LUME
Autor desconhecido
Conta a lenda que certa vez uma serpente começou a perseguir um vaga-lume. Este fugia rápido, com medo da feroz predadora, mas a serpente nem pensava em desistir.  Fugiu um dia, e ela nao desistia;  fugiu dois dias, e nada.   No terceiro dia, já sem forças, o vaga-lume parou e disse à cobra:
 - Um momento. Posso lhe fazer três perguntas?
 - Não costumo abrir esse precedente para ninguém,  disse a cobra, mas já que vou  devorá-lo mesmo, esteja à vontade, pode perguntar.
 - Pertenço à sua cadeia alimentar ?,  perguntou o vaga-lume.
 - Não.  Respondeu o ofídio.
 - Eu lhe fiz algum mal?  Postou ainda o inseto.
 - Não.  Respondeu novamente a cobra.
 - Então, por que você quer acabar comigo?  Perguntou novamente ao ofídio. 
E a cobra registrou sem dó: O negócio é que não suporto ver você brilhar... 
 
PONDERANDO: LONGE DE NOSSA REALIDADE? PENSO QUE NÃO, EM ÉPOCAS DE "PUCHÕES DE TAPETES" ,CUIDADO, E MUITA CAUTELA COM AS COBRAS. 

domingo, 11 de março de 2012

VISTA CANSADA: PARE E OLHE NOVAMENTE!


Vista cansada
Otto Lara Resende
Se eu morrer, morre comigo um certo modo de ver, disse o poeta. Um poeta é só isto: um certo modo de ver. O diabo é que, de tanto ver, a gente banaliza o olhar. Vê não-vendo. Experimente ver pela primeira vez o que você vê todo dia, sem ver. Parece fácil, mas não é. O que nos cerca, o que nos é familiar, já não desperta curiosidade. O campo visual da nossa rotina é como um vazio.
Você sai todo dia, por exemplo, pela mesma porta. Se alguém lhe perguntar o que é que você vê no seu caminho, você não sabe. De tanto ver, você não vê. Sei de um profissional que passou 32 anos a fio pelo mesmo hall do prédio do seu escritório. Lá estava sempre, pontualíssimo, o mesmo porteiro. Dava-lhe bom-dia e às vezes lhe passava um recado ou uma correspondência. Um dia o porteiro cometeu a descortesia de falecer.
Como era ele? Sua cara? Sua voz? Como se vestia? Não fazia a mínima idéia. Em 32 anos, nunca o viu. Para ser notado, o porteiro teve que morrer. Se um dia no seu lugar estivesse uma girafa, cumprindo o rito, pode ser também que ninguém desse por sua ausência. O hábito suja os olhos e lhes baixa a voltagem. Mas há sempre o que ver. Gente, coisas, bichos. E vemos? Não, não vemos.
Uma criança vê o que o adulto não vê. Tem olhos atentos e limpos para o espetáculo do mundo. O poeta é capaz de ver pela primeira vez o que, de fato, ninguém vê. Há pai que nunca viu o próprio filho. Marido que nunca viu a própria mulher, isso existe às pampas. Nossos olhos se gastam no dia-a-dia, opacos. É por aí que se instala no coração o monstro da indiferença.
VAMOS DESPERTAR PARA PODERMOS REVELAR NOVOS OLHARES FRENTE ÀS MANIFESTAÇÕES DO MUNDO!

segunda-feira, 5 de março de 2012

OS ATORES E AS ATRIZES QUE CONHECEMOS: CUIDADO COM OS ESPETÁCULOS!



Penso ser fantástica a capacidade do ser humano até na hora de tentar enganar seu semelhante: minha afirmação parece um tanto criminosa, pois mexe com nossa inteligência de sabotagem, mas é isso mesmo, vejo tantas pessoas por aí a fora tentando fazer-nos comer qualquer discurso vazio, ou pior que isso pensando que sobrenome, nariz empinado, manuseio fino de talheres, discursos sofisticados substituem a elegância do comportamento. E o mais engraçado de tudo é que diante da cenografia social, em algumas ocasiões somos praticamente obrigados a contracenar com o fantástico ator, ou a fantástica atriz tamanha é sua crença na própria mentira. E tem mais, pensam que já encerrei: e aqueles que são da família do “ tá se achando”, esses se ramificam: uns se acham os donos de tudo, até de nossa capacidade de pensar sobre as coisas, outros se acham as figuras mais cobiçadas do pedaço, ainda há aqueles que não se acham, estão soltos ao vento, mas temos ainda os que se acham senhores e senhoras da situação que nos apadrinham com um discurso amável, mas que por debaixo do tapete estão tramando nossa queda. O interessante é que enquanto estes “ se acham” nós assumimos a postura do “ somos” e tenham uma certeza: somos o tamanho de nossa coragem para seguir em frente mesmo quando os obstáculos parecerem maiores que nossos objetivos.
ASSIM SOMOS NÓS E QUEM NÃO GOSTAR QUE ESTEJA NO SEU DIREITO!

domingo, 4 de março de 2012

VAMPIROS: Cuidado que eles podem sugar seus objetivos!


VAMPIROS
Eu não acredito em gnomos ou duendes, mas vampiros existem. Fique ligado, eles podem estar numa sala de bate-papo virtual, no balcão de um bar, no estacionamento de um shopping. Vampiros e vampiras aproximam-se com uma conversa fiada, pedem seu telefone, ligam no outro dia, convidam para um cinema. Quando você menos espera, está entregando a eles seu rico pescocinho e mais. Este "mais" você vai acabar descobrindo o que é com o tempo. 

Vampiros tratam você muito bem, têm muita cultura, presença de espírito e conhecimento da vida. Você fica certo que conheceu uma pessoa especial. Custa a se dar conta de que eles são vampiros, parecem gente. Até que começam a sugar você. Sugam todinho o seu amor, sugam sua confiança, sugam sua tolerância, sugam sua fé, sugam seu tempo, sugam suas ilusões. Vampiros deixam você murchinha, chupam até a última gota. Um belo dia você descobre que nunca recebeu nada em troca, que amou pelos dois, que foi sempre um ombro amigo, que sempre esteve à disposição, e sofreu tão solitariamente que hoje se encontra aí, mais carniça do que carne. 

Esta é uma historinha de terror que se repete ano após ano, por séculos. Relações vampirescas: o morcegão surge com uma carinha de fome e cansaço, como se não tivesse dormido a noite toda, e você se oferece para uma conversa, um abraço, uma força. Aí ele se revitaliza e bate as asinhas. Acontece em São Paulo, Manaus, Recife, Florianópolis, em todo lugar, não só na Transilvânia. E ocorre também entre amigos, entre colegas de trabalho, entre familiares, não só nas relações de amor. 

Doe sangue para hospitais. Dê seu sangue por um projeto de vida, por um sonho. Mas não doe para aqueles que sempre, sempre, sempre vão lhe pedir mais e lhe retribuir jamais.





sexta-feira, 2 de março de 2012

APRENDENDO COM ADELE...



Adele falou em entrevista à revista "Vogue" sobre a relação com o corpo. Gordinha, a cantora inglesa de 23 anos afirmou que não pretende passar a vida inteira brigando contra a balança, e que suas curvas volumosas nunca foram um problema. "Eu gosto de ser assim, sempre gostei. Conheço pessoas que deixam este tipo de coisa controlar suas vidas (...) não quero isso para a minha vida, disse a cantora. Isso simplesmente nunca foi um problema para mim.” Fonte de suporte: http://vilamulher.terra.com.br/ 

APRENDENDO COM ADELE: Em sua fala Adele nos revela uma incrível lição, que deve ser postada para que pensemos bem quando formos trocar “neurônios” por “ um corpo vazio” mas aprazível aos olhos por estar dentro do modelo de beleza que “ comemos” na ceia que a sociedade de consumo nos oferece. Nossa querida Martha Medeiros revela que em uma experiência profissional com um “belo” rapaz: depois de cinco minutos de conversa queria cortar os pulsos de tão oco que o sujeito era, se resumia então, apenas com um bom verniz.  Pergunto-me, vale a pena trocar conteúdo humano por estereótipos de beleza que nos entregam em casa e enfiam em nossas cacholas?  Claro que se uma pessoa celebrar inteligência e beleza num mesmo corpo será sempre uma graça, uma benção, mas se tiver que escolher cuidado: creio que seja preferível um nariz torto de cabeça bem feita. 
CELEBREMOS A DIVERSIDADE, RESPEITANDO AS DIFERENÇAS HUMANAS!