quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

UM JEITO SOFISTICADO DE ALIENAR!



Nomenclaturas modernas, espaços estruturais pomposos, discursos emocionantes, promessas de prosperidade, assistencialismo vestido de suporte sustentável, tramas bem amarradas, negociações sigilosas, enfim um enredo de situações perfilam um cenário social sofisticado no aparelhamento para alienação dos sujeitos, ou seja, das pessoas. Fico “chocado” e me perdoem a expressão popular, quando atento para pessoas agradecendo como feito cósmico conquistas que Lhes são de direito legal, e pior, o agradecimento se transforma em certo “compromisso” com o “ santo”, o bem feitor: aproveitando o ensejo fico com náuseas quando ouço discursos sobre ética em tribunas, palanques, caminhões, programas, imaginem o lugar que desejarem, todos cheios de falsa abordagem sobre inclusão, justiça social, educação de qualidade, entre outros temas quando sei que aquele que lança seu manifesto nada mais deseja do que bater cartão e cumprir protocolo. Estamos vivendo certa sofisticação no jeito de alienar, com diz o Doutor Dráuzio Varella: “MUITO VERNIZ E POUCA RAIZ.” E diante desta humilde reflexão me ponho a pensar: na elegância do comportamento nosso desafio é “ não entrar na roda” para não nos tornamos uma estátua de bronze com pés de barro pronta para despencar.
APENAS ALGUMAS LEITURAS DE MUNDO...