terça-feira, 15 de maio de 2012

EDUCAÇÃO E ALIENAÇÃO: A SOFISTICAÇÃO DOS DIÁLOGOS DOMINANTES!


Para iniciar essa reflexão vou recordar de um rápido diálogo que vivi com uma amiga e socióloga, professora de Escola de Educação Básica. No começo da prosa falávamos dos desafios de ser professor na atualidade e mais uma vez minha inteligência engravidou com uma fantástica afirmação desta querida pessoa: “Que fique bem claro, vivemos no processo educativo um modelo de discurso sofisticado, fino, aparelhado, muitas vezes, para manter a alienação, isso se manifesta de tal forma que estamos presos em cercas mentais e não nos reconhecemos oprimidos, e Rodrigo lembre de Paulo Freire quando dizia que o oprimido só sairá da gaiola da opressão se perceber-se dentro dela, caso contrário imaginará uma liberdade de pensamento que nunca existiu”.
Eu, naquele momento me autorizei a viver recordações de minhas próprias gaiolas, do quanto em inúmeros momentos somos destituídos de nossos direitos e ainda agradecemos.  Meu temor é que nos acostumemos com o armário e com as “roupagens” dos dominados crendo que temos voz e vez o que pode não ser fato. É preciso que saiamos do sepulcro e que tenhamos coragem de validar nossos espaços compreendendo que vivemos em um meio social carregado de parcialidades, e os ventos fortes rezam onde as folhas secas irão cair, todavia é preciso entender que nem sempre o vento que sopra soprará na direção contrária àqueles que buscam o respeito e o bom senso, pois como tenho dito tudo são ciclos.