domingo, 7 de abril de 2013

CANÇÃO ÓBVIA de Paulo Freire: Aprendendo sobre os mistérios dos caminhos!





Mais uma vez trago para pauta e reflexão nosso saudoso e grande intelectual da Pedagogia, o  mestre Paulo Freire consagrado como Patrono da Educação Brasileira. Aponto esta fantástica construção teórica para que leiam com espírito crítico uma de suas produções: a CANÇÃO ÓBVIA e peço que atentem para a sabedoria da mensagem que se revela a cada leitura feita, pois como diz: “Por isso enquanto te espero trabalharei nos campos e dialogarei com homens, mulheres e crianças (...) meus pés aprenderão os mistérios dos caminhos (...).”
Sou entendedor de que é chegado o momento de nossos caminhos serem firmados com pés seguros de quem sabe aonde quer chegar e os desafios que terá que enfrentar para não ser consumido pela mediocridade que cerca a sociedade muitas vezes aparelhada para excluir, negando a diversidade humana.


Boa leitura e não se esqueçam de se autorizarem as reflexões: 



“Escolhi a sombra de uma árvore para meditar
no muito que podia fazer enquanto te esperava
quem espera na pura esperança
vive um tempo de espera qualquer.

Por isso enquanto te espero
trabalharei nos campos e dialogarei com homens, mulheres e crianças
minhas mãos ficarão calosas
meus pés aprenderão os mistérios dos caminhos
meu corpo será queimado pelo sol
meus olhos verão o que nunca tinham visto
meus ouvidos escutarão ruídos antes despercebidos
na difusa sonoridade de cada dia.

Desconfiarei daqueles que venham me dizer
à sombra daquela árvore, prevenidos
que é perigoso esperar da forma que espero
que é perigoso caminhar
que é perigoso falar...
porque eles rechaçam a alegria de tua chegada.
Desconfiarei também daqueles que venham me dizer
à sombra desta árvore, que tu já chegaste
porque estes que te anunciam ingenuamente
antes de denunciavam.

Esperarei por ti como o jardineiro
que prepara o jardim para a rosa
que se abrirá na primavera.”


(Paulo Freire)